Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Estreitamento do diferencial de base

por | 11 jul, 2018

O mercado físico do boi gordo segue em ritmo de alta, dentro do esperado para o período do ano, com o pecuarista ganhando cada vez mais força nas negociações com a indústria, à medida que a oferta não tem sido suficiente para manter as escalas de abate em níveis minimamente confortáveis. Infelizmente essa realidade ainda não tem sido refletida pelo Indicador Esalq à vista, que insiste em se manter surpreendentemente abaixo do patamar de R$140,00/@ livre e a vista em São Paulo, patamar esse que não reflete nem mesmo as ofertas de balcão no estado, que estão acima desse valor. Essa situação tende a ser momentânea e deve se corrigir ao longo do tempo, mas evidencia o risco enorme que quem vende boi a termo sem preço fixo, ou seja indexado no índice CEPEA mais alguma premiação, corre nessas situações.

Talvez a maior evidencia da firmeza mercado atual esteja justamente no estreitamento dos diferenciais de base que passaram de níveis mais abertos do que o histórico para níveis mais fechados que o histórico em pouco mais de uma semana. A região do triangulo mineiro por exemplo estava há 30 dias em 3,77% abaixo de São Paulo e está hoje apenas 2,22% abaixo de São Paulo. As praças de Goiás, MS e Rondônia tiveram comportamento semelhante, como pode ser observado na tabela abaixo.


180711_dif_base_dg-2938066

O estreitamento do diferencial de base é uma ótima notícia para os pecuaristas de fora de São Paulo e caso essa situação persista para o restante da entressafra, como sugere o histórico, será um fator muito positivo para quem utiliza a B3 para o hedge de sua produção.

No mercado futuro a paradeira persiste e apesar do contrato de out18 estar querendo romper a barreira dos R$151,00/@, o grande ágio embutido nas cotações futuras frente ao mercado físico ainda impede maiores valorizações. Essa situação pode mudar de acordo com o tamanho da alta nas cotações no curto prazo, mas a ideia central do artigo da semana passada permanece. Ou seja, é sempre prudente aproveitar boas oportunidades de proteção quando elas aparecem.