Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Antecipação da safra

por | 21 nov, 2018

Por Douglas Coelho

A pecuária não é uma ciência exata. Pelo contrário, em minha opinião, ela uma atividade mais biológica do que alguma expressão quantitativa. Penso nisso porque a interferência do clima, seja aqui ou em países relevantes para agropecuária já trouxe mudanças significativas dos preços internos no passado.

Aproveito este espaço para chamar a atenção do leitor em relação às chuvas abundantes em todo país desde o início de outubro. Não precisa ir muito longe para lembrar que em 2016 e 2017 as chuvas demoraram para chegar. Em 2015, a situação foi mais crítica e a crise hídrica virou notícia a nível nacional.

Neste ano a situação é outra. De out/18 até o dia 15/nov, o volume de chuvas nas regiões com relevância para a pecuária aumentou e muito. Na região de Cuiabá-MT, São Pedro ajudou com 26,4% mais água em relação ao mesmo período do ano anterior. Olhando para as áreas de Dourados-MS, o volume foi 80,1% maior. Já em Araçatuba-SP, choveu 52,7% mais frente a 2017. Isso sem falar em Uberaba-MG, onde as precipitações tiveram volume 3,1x acima do ano passado.

O quadro não se limita apenas no Centro-Sul, com um breve exemplo da região Norte, em São Félix do Xingu-PA, o volume de chuva também foi 21% maior YoY.

Diante desta abundância é possível pensar em alguma antecipação da safra de boiadas em relação aos anos anteriores.

A outra bonança no rumo do pecuarista nos últimos dias foram os anúncios da possível ampliação dos frigoríficos pela China e da habilitação dos frigoríficos de frango (principal proteína concorrente da bovina) para o México. Estes são pilares sólidos para as exportações em 2019.

Depois de dias “em off” em função dos últimos feriados, o mercado físico deve voltar a normalidade, mas isso não significa necessariamente em aumento dos negócios, já que passamos por uma transição entre o final das boiadas de cocho e pequenos volumes de animais de pasto.

O mercado futuro do boi gordo também esteve travado com menos dias úteis. No entanto, estas mudanças climáticas e a formação de novos pilares para a demanda podem trazer oportunidades para os pecuaristas garantirem os preços dos primeiros meses de 2019 entre R$2,0-R$4,0/@ acima do indicador físico de hoje.

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” da Scot Consultoria***