Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Maio subiu e Outubro ficou para trás…

por | 28 mar, 2019

Por Leandro Bovo da Radar Investimentos

Finalmente Índice Esalq a vista voltou a ter um maior alinhamento com o mercado físico, retomando a baliza ao redor de R$155,00/@, com mínima de R$150/@ e máxima de R$160/@, que é aproximadamente a baliza de preços vigentes em São Paulo no momento. Esse fato aliado à alta do dólar na semana animou o mercado futuro, que operou com boa alta, sobretudo nos vencimentos da safra.

 O contrato de abril fechou o pregão de 27/3 cotado a R$155,50/@ e o de maio a R$153,70/@, ambos nas máximas de cada contrato. Já os vencimentos de entressafra não acompanharam a reação da safra, com outubro permanecendo ao redor dos R$158,00/@. Essa movimentação trouxe o diferencial entre safra e entressafra, medido pela diferença entre os contratos de maio e outubro para sua mínima até o momento a R$4,15/@, como pode ser observado no gráfico a seguir:


190328_spread_boi_maio_out_dg-2463578

Essa diferença de R$4,15 quando colocada em valores percentuais corresponde a 2,70%, ou seja, menos até do que a taxa de juros dos 6 meses que separam maio a outubro. Essa precificação é bastante estreita pelos padrões históricos, e deriva em parte da baixa liquidez do contrato de outubro atualmente. Outro fator que pode explicar isso seria uma expectativa de maior oferta de confinamento na entressafra, na esteira da melhor oferta de milho safrinha cujo desenvolvimento até o momento tem sido perfeito.

Com a engorda em confinamento rescendo em volume e importância ano a ano, há uma boa discussão se são justificáveis grandes diferenciais de preço entre safra e entressafra, já que na safra o conformo da engorda a pasto torna a decisão de venda ou não dos animais muito mais confortável para o pecuarista. Por outro lado, em momentos de milho mais barato, o ágio no boi magro tende a aumentar, muitas vezes anulando o beneficio da engorda mais barata, o que justificaria a existência de maiores diferenciais de preço entre maio e outubro.

Seja qual for sua opinião a respeito, o fato é que a semana foi bastante positiva para os preços do boi gordo, e com o dólar se mantendo em alta, é bem provável que essa firmeza continue nas próximas semanas. Com a tendência de alta perdurando no mercado, caso os contratos da entressafra comecem a ganhar maior liquidez é provável que eles também reflitam essa situação abrindo boas oportunidades de fixação de preços.

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” da Scot Consultoria***