Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Boi/IMEA: Em 2018 MT forneceu 53% mais gado em pé para estados exportadores do Norte e do Nordeste

por | 10 abr, 2019

São Paulo, 10/04/2019 – Pecuaristas de Mato Grosso forneceram no ano passado 85.087 cabeças de gado em pé para os Estados de Rondônia, Pará e Bahia, que exportam animal vivo. O volume, que considera bovinos para cria e engorda nesses Estados, superou em 52,9% as 55.635 cabeças fornecidas em 2017, informou o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

“Agentes do mercado relatam que o Pará tem demandado mais para (exportar a) destinos como a Turquia. Dessa forma, observa-se uma maior movimentação (de gado de Mato Grosso) no último ano para o Norte e Nordeste do País”, destaca o Imea. O maior incremento de vendas foi para o Pará, que tinha comparado 18.808 cabeças em 2017 e no ano passado adquiriu 32.700 cabeças, avanço de 73,8%. Rondônia segue como o principal comprador, com 44.254 cabeças, ante 31.028 cabeças obtidas um ano antes (+42,6%). Na Bahia, a demanda por gado mato-grossense foi menor, de 8.133 cabeças, mas também crescente, com aumento de 40,2% em relação às 5.799 cabeças de 2017.

Apesar dos avanços, o Imea ressalta que, por ora, não se pode dizer que as exportações interestaduais de animais em pé sejam significativas a ponto de influenciar na baixa disponibilidade do bovinos no mercado doméstico, uma vez que equivalem apenas a 3% da produção do Estado de Mato Grosso.

Preços internos Na primeira semana de abril, a arroba do boi gordo em Mato Grosso se valorizou 0,08%, para R$ 138,50. A cotação da vaca gorda subiu 0,09%, a R$ 129,71 a arroba. Segundo informantes do instituto, a oferta de animais melhorou e a demanda na ponta final da cadeia também reagiu, o que permitiu ligeiro aumento nos preços dentro da porteira.

Para os frigoríficos, o cenário ficou levemente mais confortável e as programações de abate tiveram incremento de 0,47 dia na variação semanal, para uma média de 6,29 dias. (Nayara Figueiredo, nayara.figueiredo@estadao.com)