Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

China suspende embargo às exportações de carne bovina do Brasil

por | 13 jun, 2019

BRASÍLIA  – Jornal Valor Econômico

A China autorizou que os frigoríficos brasileiros retomem as exportações de carne bovina para o seu mercado após o Ministério de Agricultura ter suspenso os embarques em caráter preventivo por causa de um caso atípico de “vaca louca” em Mato Grosso, disse ao Valor a ministra Tereza Cristina.

“Acaba de chegar a notícia de que a China informou nossa embaixada brasileira em Pequim que o embargo caiu e nossas exportações de carne podem voltar”, disse Tereza. “Com isso, o Brasil volta para a cena desse importante mercado e está tudo resolvido de uma vez por todas”, acrescentou.

O secretário de Defesa Agropecuária do ministério, José Guilherme Leal, ainda está na China, para onde viajou no último fim de semana para agilizar o processo de reabertura daquele mercado para o produto do Brasil.

Segundo a ministra, o Ministério da Agricultura ainda está aguardando do GACC, o serviço sanitário chinês, uma nota técnica que vai esclarecer se carne de animais abatidos na semana passada ou há alguns dias também poderá ser embarcada. “O que for produzido hoje já pode ser exportado, mas estamos esperando eles tirarem essa dúvida”, declarou.

Para a ministra, a retomada dos embarques para a China traz um alívio para o mercado brasileiro, já que a suspensão estava mudando a rotina dos frigoríficos – alguns estavam programando dar férias coletivas – e mexendo com o preço do boi.

“A gente sabia que estava tudo bem, a OIE [Organização Mundial de Saúde Animal] não mudou o status sanitário do Brasil para vaca louca. Mas não é bom ficar fechado para a China”, frisou.

A suspensão das exportações foi uma decisão do ministério em cumprimento ao acordo sanitário firmado em 2015, segundo o qual as vendas devem ser suspensas quando se detecta algum caso de vaca louca.