Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Carne Bovina/Rabobank: preços globais devem continuar sustentados em 2020

por | 5 dez, 2019

São Paulo, 05/12/2019 – A alta demanda da China e de outros países da Ásia por carne bovina, em decorrência dos casos de peste suína africana na região, deve manter os preços globais da proteína sustentados no ano que vem, segundo o Rabobank. Em relatório trimestral divulgado há pouco pelo Rabobank. O gigante asiático deve absorver o aumento da produção na América do Sul, em especial Brasil e Argentina.

 A China deve ter demanda “extremamente forte” pela carne bovina no ano que vem, de acordo com o boletim, mesmo com o avanço nos preços locais. Isso porque, apesar de ter subido expressivamente nos últimos meses, a carne suína – principal concorrente – avançou ainda mais. “Em outubro de 2018, o preço da carne bovina era 2,8 vezes a da suína; mas em outubro de 2019 é apenas 0,6 vez mais alta”, informa o relatório. O país também deve continuar importando volumes consideráveis de carne bovina, como indicam as habilitações recentes de plantas – desde agosto, o Brasil teve 22 frigoríficos habilitados e a Argentina, oito.

Para suprir a demanda chinesa, a América do Sul deve aumentar a produção. O Rabobank reiterou a projeção para produção brasileira – aumento de 3,5% em 2020 – divulgada em evento na semana passada. O banco também projeta que as exportações brasileiras aumentem em 10,65% no próximo ano. Com as novas habilitações, o banco acredita que o Brasil aumentará as exportações para a China nos próximos meses.

 Em setembro, o País já retomou o posto de maior exportador de carne bovina para a nação asiática, que era da Argentina. No vizinho sul-americano, a vitória de Alberto Fernández nas eleições presidenciais causa “incerteza” por falta de propostas para o setor e “maiores chances de tarifas mais altas para exportações de carne bovina”, que hoje estão na casa dos 5%. Mesmo assim, o Rabobank estima que os altos preços globais e a depreciação da moeda argentina possam compensar as eventuais tarifas. O avanço na produção argentina deve ser motivado tanto pela desvalorização da moeda quanto pelos preços recordes de bovinos vivos.

Nos Estados Unidos, a demanda doméstica é considerada boa. A preocupação da indústria seria o aumento de preços da carne que o país importa para processar. Os preços locais da proteína podem ser sustentados no ano que vem com a demanda de redes de fast-food, entre outras, por carne local para substituir a estrangeira.

 Contato: augusto.decker@estadao.com