Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Banco Central eleva projeção para PIB de 2019 de 0,9% para 1,2% e sobe o de 2020, de 1,8% para 2,2%

por | 19 dez, 2019

Por Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues da Agência

Brasília, 19/12/2019 – Em meio ao processo de retomada da economia, o Banco Central elevou sua expectativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, de 0,9% para 1,2%. O novo porcentual consta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado há pouco. O BC também subiu a expectativa para o PIB em 2020, de 1,8% para 2,2%. Entre os componentes do PIB para 2019, o BC alterou de expansão de 1,8% para 2,0% a projeção para a agropecuária. No caso da indústria, a estimativa passou de elevação de 0,1% para 0,7% e, para o setor de serviços, de aumento de 1,0% para 1,1%.

Do lado da demanda, o BC aumentou a estimativa de crescimento do consumo das famílias, de crescimento de 1,6% para 2,0%. No caso do consumo do governo, o porcentual projetado foi de recuo de 0,3% para declínio de 0,6%. O documento de hoje indica ainda que a projeção de 2019 para a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) – indicador que mede o volume de investimento produtivo na economia – foi de alta de 2,6% para 3,3%. PIB 2020 Para 2020, a estimativa de PIB passou de 1,8% para 2,2%, como consta no RTI.

Entre os componentes do PIB para 2020, o BC alterou de 2,6% para 2,9% a projeção para a agropecuária. No caso da indústria, a estimativa passou de +2,2% para +2,9% e, para o setor de serviços, de 1,4% para 1,7%. Do lado da demanda, o BC aumentou a estimativa de crescimento do consumo das famílias, de 2,2% para 2,3%. No caso do consumo do governo, o porcentual projetado foi de +0,5% para 0,3%.

O documento de hoje indica ainda que a projeção de 2020 para a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) – indicador que mede o volume de investimento produtivo na economia – foi de 2,9% para 4,1%.