Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

GRIPE AVIÁRIA: OIE notifica primeiro foco da doença na Ucrânia, na República Tcheca e na África do Sul

por | 21 jan, 2020

Por Isadora Duarte da Agência Estado/Broadcast

São Paulo, 21/01/2020 – A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês) notificou a identificação dos primeiros focos de gripe aviária na Ucrânia, na República Checa e na África do Sul. Na República Checa e na África do Sul, o vírus identificado foi o H5N8 – considerado altamente patogênico pelos organismos de saúde -, enquanto na Ucrânia, o vírus verificado foi o H5. A fonte ou origem da infecção ainda é desconhecida, de acordo com a OIE.

Na Ucrânia, conforme a OIE, o surto foi detectado em uma granja na cidade de Vinnitsa. O caso foi confirmado ontem pelo governo local e levou ao abate sanitário de 98 mil animais. O foco é o primeiro confirmado no país após três anos de erradicação da doença.

Já na República Checa, 15 animais foram eliminados em virtude do contato com o vírus. O surto foi detectado em uma granja na província de Vysocina e foi confirmado ontem pelo governo local.

Dois focos foram encontrados na África do Sul, na província de Western Cape, e levaram ao descarte sanitário de 7.577 aves, segundo informações do governo local repassadas à OIE.

Além dos casos reportados hoje, a OIE já confirmou a verificação do surto na Romênia, Polônia, Índia, Eslováquia, Hungria e China. Os avisos de notificação da organização sobre a ocorrência da doença se acentuaram desde o início do ano.

Nesta terça-feira, o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China informou também que novos focos da doença foram verificados no país. Estima-se que 1,1 mil cisnes já foram eliminados na província de Xinjiang e na região autônoma de Xinjiang Uygur pela contaminação com o vírus H5N6.