Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Na B3, Minerva sobe 7% com restrições chinesas à carne australiana

por | 12 maio, 2020

Por Renato Carvalho e Ana Luiza de Carvalho

São Paulo, 12/05/2020 – Em um dia de noticiário movimentado e tendência indefinida do Ibovespa na maior parte do dia, a ação da processadora de proteína animal Minerva conseguiu manter um bom desempenho, e teve a maior alta do índice. Isso por conta dos possíveis efeitos das restrições feitas pela China na importação de carne bovina de algumas unidades da Austrália. Marfrig também se destacou.

Minerva ON fechou o dia com alta de 7,06%, enquanto Marfrig ON subiu 3,78%. A China suspendeu as importações de carne bovina de quatro unidades australianas, sendo duas da JBS, uma da NCMC e outra da Kilcoy Global Foods. O argumento chinês para a suspensão das importações é de que as empresas teriam violado requisitos de inspeção e quarentena.

Em relatório, o Citi afirma que as restrições podem ajudar a reduzir a concorrência no mercado global de carne bovina. Assim, a medida eventualmente pode ser positiva para a Minerva (cerca de 35% das exportações brasileiras de carne bovina) e Marfrig (cerca de 15%). O negócio de exportação de carne bovina da JBS Brasil (cerca de 5% do Ebitda do grupo) também pode se beneficiar, eventualmente amenizando parte do impacto negativo nas operações da JBS na Austrália.

Em comentário sobre o tema, os analistas do Bradesco BBI também acreditam que a JBS pode compensar essa restrição de suas unidades australianas com as operações no Brasil e nos Estados Unidos. O banco lembra que a companhia tem oito abatedouros na Austrália, com estimativa de participação de 9% nas receitas totais do grupo. JBS ON fechou em alta de 2,50%.