Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

A fome vem de fora

por | 29 maio, 2020

Por Douglas Coelho da Radar Investimentos

As exportações têm roubado a cena dos mercados agropecuários, apesar de todo período turbulento.

No caso da carne bovina, não foi diferente. Os dados reportados pelo MDIC foram fortes durante todo o mês de maio. Com isto, caso este ritmo seja mantido, o embarcado em mai/20 deveria seria próximo de 152 mil toneladas. Cerca de 30% acima de abr/20 e 25% maior que o volume embarcado no mesmo período de 2019.

Além da fome dos principais importadores, o bom fluxo de novas habilitações continua firme. Recentemente, a Tailândia anunciou a abertura do mercado brasileiro de carne bovina com osso, em osso e miúdos. Mesmo que não seja um “game changer” é mais um tijolo para o escoamento da produção brasileira nos próximos meses.

O Brasil já atingiu o marco de 60 mercados externos abertos para produtos agropecuários desde janeiro de 2019. Sem dúvida a política externa neste sentido tem feito o trabalho em prol do agro brasileiro com excelência.

Em nossa opinião, a combinação deste bom trabalho com o déficit de proteínas na China de aproximadamente 24 milhões de toneladas deve alterar o mix de escoamento de mercado interno versus mercado externo de carne bovina do Brasil em 2020 e 2021 frente aos anos anteriores, que estava ao redor de 75-70% versus 25-30%, respectivamente.

Pelo do mercado interno, olhando para a oferta, boa parte dos fatores que poderiam forçar uma saída mais nítida de animais terminados já passou. No final de março tivemos o susto com a pandemia, entre abril e maio praticamente com o serviço de food service inerte com a quarente e a chega do frio no final deste mês.

Deste modo, é possível que haja pouco espaço para alterações da disponibilidade de animais terminados. O mesmo não pode ser dito pela ótica da demanda externa, no qual as variações podem ser mais eminentes, já que praticamente a cada mês temos bons ventos com nova habilitações e há uma concentração de grandes volumes em poucos compradores.  

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” nesta última quinta-feira (28/mai) da Scot Consultoria***