Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Exportação de proteínas bovina e suína tem desempenho positivo em junho; a de frango cai

por | 1 jul, 2020

Por Ariosto Mesquita, especial para a Agência Estado

Campo Grande, 01/07/2020 – A receita e quantidade obtidas com exportações de carnes bovina e suína em junho cresceram em relação a junho do ano passado; já a carne de frango teve retração, conforme dados divulgados há pouco pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Os embarques externos de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada somaram 152,47 mil toneladas em junho deste ano, 33,1% acima das 114,51 mil toneladas de igual mês do ano passado. A receita totalizou US$ 655,47 milhões no mês passado, alta de 48,2% sobre os US$ 442,11 milhões de igual mês de 2019. O preço médio da carne bovina na exportação alcançou US$ 4.298,90/tonelada, ante US$ 3.860,80/t de junho do ano passado.

As exportações de carne suína fresca, refrigerada ou congelada também cresceram em relação a igual período do ano passado. Somaram 87 mil toneladas, um aumento de 53,9% sobre as 56,5 mil toneladas de junho de 2019. As vendas externas do produto geraram um faturamento de US$ 187,8 milhões no mês passado, ante US$ 129,72 milhões em igual mês de 2019, aumento de 44,7%. O preço médio variou negativamente, saindo US$ 2.293,50/t (junho/2019) para US$ 2.158,60/t (junho/2020).

A carne de frango (carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas), por sua vez, teve desempenho inferior no comparativo. Os embarques brasileiros em junho totalizaram 320,81 mil toneladas, recuo de 13,2%% na comparação com as 369,73 mil toneladas de igual mês de 2019. A receita com as exportações de frango somou US$ 408,23 milhões, um recuo de 32,1% em relação a junho do ano passado, quando havia alcançado US$ 601,68 milhões. O valor médio de venda em junho deste ano foi de US$ 1.272,50 por tonelada, um recuo de 21,8% ante os US$ 1.627,40 de um ano antes.