Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Arroba em USD na máxima de 5 anos

por | 24 jan, 2021

Por Leandro Bovo da Radar Investimentos

Com as exportações ganhando cada vez mais relevância na precificação da arroba, na medida que o mercado interno ainda se ressente da crise econômica e do desemprego atual, é muito importante analisarmos com mais detalhe a evolução do preço da nossa @ em dólares para entender a nossa competitividade no mercado externo.

Com a alta recente do boi gordo e a queda do dólar de suas máximas, nossa @ em dólares subiu muito, estando hoje ao redor de US$55/@, no valor mais alto dos últimos 6 anos, ou para ser mais exato, desde janeiro de 2015, como pode ser observado no gráfico abaixo:


4010y-2773027

Hoje estamos cerda de 17% acima de nossa média histórica que se situa ao redor dos US$47/@, representado na linha pontilhada do gráfico. Com uma alta dessa magnitude, seria de se esperar que nossa atratividade no mercado internacional fosse seriamente afetada, porém há motivos para imaginar que dessa vez pode ser diferente.

O primeiro deles é a alta generalizada dos grãos no mundo todo. Soja e milho nos EUA estão hoje em suas máximas dos últimos anos, o que encarece a produção de proteína de lá e por consequência de todo o resto do mundo.

Com essa alta das proteínas em dólares, é possível que o Brasil ainda permaneça competitivo mesmo estando bem acima da média de preço dos últimos anos, porém o ponto chave dessa equação é o preço do dólar, já que estamos nesses níveis com o dólar cotado a R$5,35, caso o dólar caia ainda mais frente ao Real, nossos preços podem chegar a níveis que afetem nossa competitividade, por isso nesse ano temos que manter um olho no boi e nos grãos e outro no dólar!

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” nesta última quinta-feira (21/jan) da Scot Consultoria***