Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Exclusiva: ABPA estima crescimento de 76,5% nas importações de milho do Brasil, para 2,42 milhões de t

por | 11 ago, 2021

Por Julliana Martins da Agência Estado

São Paulo, 11/08/2021 – As indústrias brasileiras de carnes de aves e suínos devem importar este ano 76,5% mais milho do que o verificado no ano passado, estima a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). A perspectiva é de que a quantidade importada alcance 2,42 milhões de toneladas, ante 1,371 milhão de toneladas de 2020, conforme levantamento feito pela entidade, a partir de dados das empresas associadas, e fornecidos com exclusividade ao Broadcast Agro. “Podemos dobrar a importação de milho este ano, mas seguimos acompanhando os números referentes à safrinha e acreditamos no que disse a ministra (da Agricultura) Tereza Cristina, que não vai faltar milho”, disse o presidente da entidade, Ricardo Santin.

A estimativa da ABPA vem em linha com a de consultorias que acompanham o mercado. A Agroconsult, por exemplo, prevê que as importações de milho possam chegar a quase 3 milhões de toneladas de fevereiro deste ano a janeiro de 2022.

De janeiro a julho, as empresas já importaram quase todo o volume do ano passado: 1,081 milhão de toneladas. Isso representa uma alta de 113% na comparação interanual, já que em igual período de 2020 foram importadas 508 mil toneladas, disse o presidente da ABPA. O único mês em que as compras recuaram foi abril, com 77 mil toneladas adquiridas de outros países, ante 93 mil toneladas um ano antes.

Mas as importações se aceleraram mesmo em junho, com crescimento de 2.778%, de 4 mil toneladas de milho em 2020 para 117 mil toneladas este ano. O aumento coincide com a entrada do grão argentino no mercado, que contribuiu com 96 mil toneladas do total importado no mês. Em julho, as indústrias compraram 144 mil toneladas de milho, 13 mil toneladas do Paraguai e outras 131 mil toneladas da Argentina, o que equivale a 225% a mais do que em igual mês do ano anterior.

“E a expectativa é de que esses embarques continuem crescendo nos próximos meses. Vale lembrar que algumas empresas, principalmente do Nordeste, seguem avaliando trazer o cereal dos Estados Unidos, com a isenção temporária da tarifa externa comum (TEC). Mas isso envolve outra variável, que é a variação do dólar”, afirmou Santin, ao acrescentar que as empresas esperam importar mais 1,34 milhão de toneladas entre agosto e dezembro. “Tem uma cooperativa do Paraná que me disse que vai importar 130 mil toneladas até dezembro, por meio de caminhões”, contou. Segundo ele, o volume comprado de países vizinhos pode ser ainda maior do que essas projeções, porque nem todas as empresas participaram do levantamento.

O movimento é resultado da conjuntura de aperto nas margens de lucro dos produtores de aves e suínos, em meio ao aumento histórico dos preços dos grãos, especialmente o milho, muito utilizado para nutrição animal. No último ano, a saca de 60 quilos de milho se valorizou 83,16% no País, de R$ 53,59 para R$ 98,16, conforme dados do indicador do milho Cepea/Esalq/BM&FBovespa.

“Vimos volumes chegando no Porto a R$ 82/saca e a R$ 90/saca, entregue nas plantas, então a paridade está bem vantajosa”, disse Santin. Esses preços, porém, são possíveis apenas para produtores que utilizam o Regime Aduaneiro Especial de Drawback, que elimina impostos incidentes sobre as importações. “O que estamos pedindo agora é a isenção do pagamento de PIS/Cofins para os pequenos produtores, que acabam forçados a pagar preços menos competitivos pelo cereal.”

A segunda safra do cereal iniciou o ciclo sofrendo os efeitos do atraso da colheita da soja, com parte da produção plantada fora da janela ideal. Nos meses seguintes, em abril e maio, a seca atingiu em cheio as lavouras, seguida pelas ondas de frio registradas em junho e julho, que provocaram geadas no Centro-Sul do País e intensificaram as perdas.

O mercado tem acompanhado de perto as projeções de quebra do safrinha, que está sendo colhido nas regiões produtoras. Ontem, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) cortou mais uma vez a projeção de colheita do milho safrinha 2021, para 60,32 milhões de toneladas, 19,6% a menos que a estimativa anterior, de 75,05 milhões de toneladas. De acordo com a companhia, a queda na produtividade estimada é de 25,7%, uma previsão de 4.065 quilos por hectare. No seu 11º levantamento, a estatal destacou que a redução só não foi maior porque os altos preços do grão impulsionaram um aumento de área plantada em 8,1%, atingindo 14,87 milhões de hectares.

Outra alternativa que vem sendo considerada pelos produtores, segundo o presidente da ABPA, é a substituição do milho por cereais de inverno, como o trigo. Santin explica que, dependendo da variedade, a equivalência nutricional entre os grãos pode chegar a 100%. “Tem algumas opções de trigo que são até melhores do que o milho, dependendo da fase do leitão, assim como o arroz quebrado, que é ainda mais barato”, comentou. O que muda para as empresas, além de preço, é a receita e composição da alimentação, que precisa ser reavaliada. “Isso está sendo feito hoje e tem até uma companhia que prevê comprar 34 mil toneladas de trigo para alimentar o rebanho de suínos”, exemplificou Santin.