Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Guerra fiscal entre EUA e China levará à valorização da soja brasileira

por | 6 ago, 2018

São Paulo, 06/08/2018 – A guerra fiscal entre Estados Unidos e China, as duas maiores economias globais, poderá levar a uma valorização da soja no mercado brasileiro, o que deve encarecer a ração destinada à pecuária, disse há pouco o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Marcos Jorge.
De acordo com o ministro, que participou nesta segunda-feira de almoço-debate promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), se a China parar de comprar soja dos produtores norte-americanos, a demanda chinesa passará a ser suprida pelo grão produzido em solo brasileiro, o que levaria ao aumento do preço da oleaginosa.

“A ração é um produto importante que vai para o gado, que é um produto importante das exportações brasileiras”, disse o ministro, acrescentando que no médio prazo o acirramento da tensão comercial entre EUA e China poderá trazer efeitos negativos por conta guerra comercial potencial. Outro fator que, segundo Jorge, tem sempre que ser levado em conta “é que qualquer diminuição de troca comercial e de fluxo no mundo vai impactar todos os países”. “Então o que nós defendemos é um multilateralismo e o livre comércio”, disse.

No momento, segundo Marcos Jorge, o comércio exterior brasileiro ainda não está sentindo os efeitos do recrudescimento das relações comerciais entre Estados Unidos e o gigante asiático. “O que nós levamos para o governo chinês, quando da reunião bilateral que tivemos entre o presidente Temer e o presidente XI Jinping em Johannesburgo, foi a possibilidade de a China estar abrindo a porta para derivados da soja, como óleo e soja moída”, disse o ministro, para quem tal transação serviria também, além do acesso a mercado e adensamento das nossas exportações, como potencial regulador de mercado.”Estamos atentos e tomando medidas para que não tenhamos prejuízos às nossas exportações”, disse. (Francisco Carlos de Assis – francisco.assis@estadao.com)