Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Otimismo

por | 30 ago, 2018

Por Douglas Coelho

Depois de um ano duro como o de 2017, o pecuarista olha para a janela e consegue ver luz depois da tempestade.

Mesmo com a demanda interna caminhando a passos lentos, a ausência de fatores externos tem levado o mercado físico (a arroba do boi gordo) para a normalidade.

Tanto o Leandro Bovo, como eu já abordamos aqui neste espaço a força das exportações nos últimos meses. Isso não é novidade e com o ritmo forte dos embarques desde a terceira semana de ago/18 é possível que sejam exportadas entre 140 e 150 mil toneladas de carne bovina neste mês também.

O meu ponto desta vez é abrir o olho do leitor para o mercado interno. As variações deste nicho são mais silenciosas e ocorrem dia-a-dia. Segundo a CNC, a intenção de consumo das famílias tem crescido nos últimos 2 anos. Os componentes deste índice que tiveram o maior aumento foram justamente o nível de consumo atual e a perspectiva de consumo, com 39% e 33%, respectivamente.


180830_icf_dg-2330616

Fazendo um paralelo com o mercado futuro do boi, no início desta semana, o contrato de out/18 rompeu o canal forte entre R$149,00 e R$151,00/@, que seguia desde meados de maio deste ano. É possível acreditar que algum otimismo foi refletido nos mercados também.

Neste sentido, a busca por calls de pecuaristas que travaram o termo tem sido cada vez mais comum nas últimas semanas. O perfil da operação é bastante conservador e pode ter um custo mais atraente em dias de baixa na B3.

Para quem tem o boi no pasto, ficar a mercê da oscilação de preços ou da vontade do comprador beira quase à especulação. Isso porque o valor destinado para a proteção de preços (put) ou a potencialização de ganhos (call) é relativamente bem menor do que o patrimônio envolvido na produção.

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” da Scot Consultoria***