Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

A fome com a vontade de comer

por | 19 out, 2019

Por Douglas Coelho da Radar Investimentos

Que o apetite do principal importador de carne bovina do Brasil está ávido não é novidade. A China vem aumentando os volumes de compra, que vêm de uma base relativamente pequena, mas tem constante crescimento. 

Neste sentido, os dados divulgados nesta última segunda-feira pela Secex mostram um volume forte já embarcado pelo Brasil nas duas primeiras semanas de outubro. Caso este ritmo seja mantido, haverá potencial para bater o recorde das exportações de carne bovina brasileira in natura. 

Além desta expectativa, os ânimos em relação ao mercado externo foram renovados após a feira de alimentos “Anuga”, que ocorreu na Alemanha. De acordo com informações da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), neste ano, as 112 empresas brasileiras que participaram fizeram US$3,4 bilhões em negócios, superando em US$900 milhões na edição anterior (que já havia sido um sucesso). 

A leitura deste resultado é que nossos importadores de proteínas combinaram a “fome com vontade de comer”. Com este bom fluxo de negócios é possível que o ritmo acelerado dos embarques prossiga também nos próximos meses. 

Olhando para o mercado futuro, os vencimentos de dez/19 e de jan/20 saíram na frente e, quando este artigo estava sendo escrito, estavam cotados em R$173,00/@ e R$175,30/@, respectivamente. Isto abre oportunidades interessantes para quem possui animais que serão abatidos durante este período. 

É fato que as expectativas são positivas adiante, principalmente se o número de empregos temporários no final do ano mostrarem avanço e trazerem mais renda disponível para a população. No entanto, a atividade pecuária deve ser estruturada com proteções de preços em momentos adequados de firmeza. Assim como o telhado de uma casa, o ideal é consertar quando não está chovendo.

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” nesta última quinta-feira (17/10) da Scot Consultoria***