Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Boi/Itaú BBA: ambiente é “desafiador” para a pecuária de corte, mas há fatores positivos

por | 7 abr, 2020

Por Alda do Amaral Rocha da Agência Estado

São Paulo, 07/04/2020 – O Itaú BBA destaca em seu relatório Agro Mensal, divulgado hoje, o ambiente “desafiador” para a pecuária de corte no País com a eclosão da crise do novo coronavírus. Para o banco, contudo, o baixo preço da arroba brasileira em dólares (US$ 35/40), que apenas enfrenta concorrência nesse nível com Argentina e Paraguai, a oferta restrita de animais para abate prevista para este ano e a provável sustentação do fluxo forte das vendas para a China se contrapõem às incertezas que pairam sobre o setor atualmente.

No relatório, o banco observa que as preocupações relacionadas à Covid-19 pesaram sobre os mercados físico e futuro de boi gordo no mês passado. A epidemia gerou preocupações diante do cenário ruim previsto para a economia, o que pode prejudicar a demanda por carne bovina. A instituição ressalta, ainda, que as exportações, exceto para a China, enfrentarão um ambiente pior nos países importadores, alguns deles dependentes das receitas do petróleo, embora Pequim possa absorver eventuais excedentes.

A paralisação de atividades em diversas plantas frigoríficas pelo País também pressionou os preços no mercado físico, fazendo com que produtores que podiam reter animais diminuíssem as ofertas, acrescenta a instituição. Para os analistas do Itaú BBA, esse quadro aponta para a possibilidade de vendas muito concentradas de boi gordo quando a atividade voltar, o que pode pressionar as cotações.

O banco destaca também que, em relação ao fim do ano passado, o sistema de recria e engorda piorou no Brasil. Para os analistas, enquanto “a cria segue muito bem devido ao alto preço do bezerro e a recria/engorda a pasto consegue se defender dado menor custo de produção, os confinamentos exigem maior atenção”. Isso porque os preços da arroba do boi no mercado futuro recuaram entre R$ 15 e R$ 35 em relação há um mês, dependendo do vencimento.

Segundo o banco, esse cenário “muda bastante o resultado previsto da engorda intensiva aos custos atuais”, devido à alta contínua da ração, “o que pode moderar o ímpeto daqueles que planejaram o ciclo mas não haviam travado o preço anteriormente”.