Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Dólar x commodities

por | 8 maio, 2020

Por Leandro Bovo da Radar Investimentos

Diante do caos econômico gerado pela pandemia do coronavírus e agravado pelo tumulto político vivido pelo Brasil, o dólar segue seu movimento ininterrupto de alta, quebrando recordes de máxima todos os dias. Após a redução da taxa de juros em 0,75%, para 3% a.a. na reunião do Copom de 6/5, o dólar ganhou ainda mais força, já que o diferencial de juros do Brasil contra as demais economias desenvolvidas se estreitou ainda mais, ampliando a já grande saída de capitais do país. A cotação atual do dólar é ao redor de R$5,80 e ninguém se arrisca a “chutar” um teto para a moeda, que segue dependendo única e exclusivamente das intervenções do BC para atenuar o movimento.

O dólar já subiu até o momento 45% e seu impacto no preço das commodities negociadas pelo Brasil é enorme. Acompanhe nas figuras os preços do boi gordo e milho em dólares desde 2014 até agora.


200508_boi_bc_dg-2933040

O efeito da disparada do dólar nas commodities negociadas pelo Brasil é que o preço delas em dólar desabou, ficando em linha com os menores valores dos últimos anos e deixando nosso produto muito mais acessível aos compradores internacionais. Quando isso ocorre os preços em reais pagos aos produtores tendem a ganhar sustentação, literalmente “salvando a lavoura” dos produtores nesses tempos de crise econômica aguda.

Nas duas commodities o principal mercado consumidor para o produto é o mercado interno, que representa ao redor de 75%, no caso do boi gordo e ao redor de 70% no caso do milho, porém, a chamada paridade de exportação acaba sendo na prática um balizador de preços muito importante que limita quedas grandes em reais. O balanço oferta x demanda mundial do milho é amplamente mais confortável do que o do boi e os preços da safrinha subiram consistentemente com a alta recente do dólar. Já no boi gordo, que tem um balanço de oferta x demanda muito mais apertado, o impacto da alta do dólar nos preços do segundo semestre foi zero. Quais seriam os motivos para isso?

***Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” nesta última quinta-feira (7/mai) da Scot Consultoria***