Fale conosco: +55 11 3181 8700 /     atendimento@radarinvestimentos.com.br      radarinvestimentos

logotipo radar investimentos

Dê um primeiro passo e receba um convite de abertura de cadastro

Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro



Dê o primeiro passo e receba
um convite de abertura de cadastro

Concorrência pesada para o boi gordo

por | 8 mar, 2018

A semana começou bastante tumultuada para o setor de proteína animal com a notícia da “Operação Trapaça” da Policia Federal que foi um desdobramento da Operação carne fraca que tanto estrago causou ao setor no ano passado. Dessa vez a operação foi centrada apenas na gigante de alimentos BRF, onde foram cumpridos 53 mandatos de busca e apreensão, 27 de condução coercitiva e 11 de prisão temporária, incluindo aí o ex-presidente da empresa. As ações da empresa caíram mais de 20% após o anuncio da investigação e o MAPA suspendeu as exportações de carne de frango de três plantas da empresa envolvidas na investigação.

Após o primeiro momento de alivio por não impactar diretamente a indústria de carne bovina, é preciso analisar com maior profundidade os possíveis impactos que teremos por conta dessa operação. O principal deles que seria uma reação drástica dos nossos importadores, com bloqueio de remessas, a princípio não aconteceu e nem irá acontecer. Os questionamentos dos países importadores foram prontamente respondidos e nenhuma medida mais dura foi tomada. Porém não conseguiremos escapar da segunda consequência mais importante desse evento para o nosso negócio, que é a maior oferta de carne suína e de frango no mercado interno, ampliando ainda mais o já grande diferencial entre essas proteínas e a carne bovina. Observe nos gráficos abaixos.


180308_ratios_dg-1858995

Tanto o frango quanto o suíno já vinham sendo bem mais competitivas que a carne bovina nas últimas semanas. Apenas para ilustrar, a carne suína e a de frango estão 34% e 59% mais baratas que a carne bovina contra uma média de 13% e 42% desde 2012, respectivamente. Caso haja um redirecionamento da produção da BRF para o mercado interno, esse diferencial tende a se acentuar ainda mais, dificultando o já difícil escoamento da carne bovina no mercado interno.

A resposta do mercado futuro a essa situação não foi muito forte e os contratos da safra caíram ao redor de 1% nesta semana após a notícia. O impacto no mercado físico ainda está sendo sentido, mas as tentativas de recuo de preços em São Paulo têm sido mais intensas. A situação das pastagens ainda permite que o pecuarista seja mais duro na negociação, porém isso implica numa possível maior oferta para o final da safra. Cada vez mais as exportações terão enorme relevância para a manutenção dos preços de boi durante essa safra e a volta da Rússia e dos EUA às compras já seriam uma boa noticia nesse sentido.

**Texto originalmente publicado no informativo pecuário semanal “Boi & Companhia” da Scot Consultoria.**